Projetos - Banners

imagem1

imagem2

http://www.escolasdenisa.org.pt/images/desporto%20escolar.jpg

imageseramus

imagem6

 

 

Eventos Escolares

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

Contador de Visitas

Localização

Historial do Agrupamento

O Agrupamento de Escolas de Nisa é constituído por quatro estabelecimentos de ensino:J.I. de Alpalhão, J.I. de Tolosa, J.I de Nisa e a Escola Básica e Secundária Professor Mendes dos Remédios, que é a escola sede do agrupamento. A Escola sede, teve a sua origem na Escola Preparatória de Nisa criada através da portaria nº 486/70, publicada em diário do governo a 2 de Outubro de 1970. O diploma de criação designava como patrono o Professor Joaquim Mendes dos Remédios. O seu primeiro Diretor foi o Dr. Flores Andrade. A escola situa-se na "Tapada do Francês" (cujo topónimo se desconhece), espaço físico de grande extensão e com variada vegetação. Quanto às instalações, propriamente ditas, o edifício era apenas constituído por um pavilhão, onde já tinha funcionado um colégio particular, acrescentado posteriormente com mais alguns pavilhões.

Em 1976 foi criado o ensino unificado e em 1985 a escola passa a ser denominada C+S como as instalações se tornavam exíguas para albergar tão grande número de alunos foi necessário construir o novo edifício, onde se encontra a atual Escola desde 1985.

No ano letivo 2015/2016, entrou em funcionamento um novo edifício sede, construído de raiz, que alberga atualmente a Escola Básica e Secundária, e ainda o Jardim de Infância de Nisa.

O PATRONO

O Patrono da Escola é Joaquim Mendes dos Remédios, Professor universitário e escritor. Nasceu em Nisa a 21 de Setembro de 1867. Estudou no liceu e seminário de Portalegre, matriculando-se na faculdade de Teologia da Universidade de Coimbra (15/10/1888). Bacharel em 1892; completou a formatura em 18/06/1893 e licenciou-se em 15/02/1894. Doutorou-se em 28/04/1895 e começou a lecionar na Universidade de Coimbra a 4 de Janeiro do ano seguinte. Depois da extinção da Faculdade de Teologia e da criação da Faculdade de Letras daquela Universidade, integrou o seu corpo de professores catedráticos notabilizando-se como especialista em História da Literatura Portuguesa e investigador prolífero. Foi secretário da biblioteca da sua faculdade (1911 a 1925) e da biblioteca da universidade (1900 a 1913). Criou então os gabinetes de cinéfilos, super-libris, fundou o arquivo bibliográfico e organizou a coleção de numismática. Representou as faculdades de letras de Lisboa e Coimbra no Conselho Superior de Instrução Pública e foi secretário do Conselho de Arte e Arqueologia da 2º Circunscrição.

Desempenhou o cargo de reitor da Universidade de Coimbra de 1911 a 1913 e de 1918 a 1919; a ele se deve a criação da Revista da Universidade.

 Dirigiu a Faculdade de Letras de 1925 a 1930, criando os cursos de férias, os institutos de culturas estrangeiras, as publicações da Sala Francesa, a revista Biblos e o Boletim do Instituto Alemão.  Após o 28 de Maio sobraçou a pasta da Instrução Pública. Dirigiu desde 1898 a coleção "subsídios para Estudo da Literatura Portuguesa", que inclui várias obras da sua autoria. Morreu em Montemor-o-Velho a 30 de Setembro de 1932.